voltar

Resumo Grupo I - ESS - Procedimentos de Emergência

- Emergências a Bordo.
- Sobrevivência.


* Tendo em mente o aspecto segurança, os deveres da tripulação, ao iniciar o vôo, serão: o cheque do equipamento de emergência e sobrevivência e o briefing;

* Não há necessidade de pouso de emergência no caso de morte de pax à bordo;

* Visando a segurança dos pax´s, ao serem comunicados que passarão por turbulência, os cms devem suspender o serviço de bordo, travar o compartimento da galley e verificar se os cintos de segurança estão atados;

* As poltronas da cabine de pax são equipadas com cinto de segurança com retenção abdominal;

* As aeronaves estão equipadas para, em caso de despressurização, haver o atendimento em tal emergência com a utilização imediata de sistema fixo de oxigênio de emergência;

* A evacuação de emergência compreende o abandono da aeronave em situação de emergência;

* A situação em que há tempo hábil para se determinar a posição que minimiza os efeitos do impacto sobre os pax´s denomina-se preparada;

* A posição de impacto que deve ser mantida pelo cms, com cinto de inércia apertado, sentado de costas para o nariz da aeronave é braços cruzados e cabeça pressionada para trás;

* O tempo seguro para uma evacuação de emergência é de 90 segundos;

* Exceto em caso de ser evidente, uma evacuação de emergência será autorizada pelo tripulante capacitado na seqüência: comandante, tripulação técnica e comissários;

* Em uma evacuação, constando-se que uma saída não deve ser aberta por haver condições externas adversas, o cms responsável pela mesma deverá permanecer junto a saída em questão e redirecionar os pax´s;

* De acordo com o RBHA-121, as aeronaves com capacidade até 180 pax´s deverão possuir a bordo, para caso de emergência, conjunto de primeiros socorros em número de 3;

* Ocorrendo uma despressurização súbita, a primeira atitude do cms deve ser utilizar a máscara do sistema fixo de oxigênio que estiver mais próximo;

* Não devem ocupar os assentos das janelas de emergência: gestantes, idosos e crianças;

* A seqüência correta para se sair por uma janela de emergência é: perna-cabeça-tronco-perna;

* As saídas que normalmente oferecem maiores restrições em um pouso forçado em terra, na maior parte das aeronaves, são as janelas sobre as asas;

* Ocorrendo qualquer falha no sistema de anúncio de bordo (P.A.) e para orientar pax´s em pouso de emergência, a comunicação deverá ser através dos megafones;

* Num pouso de emergência preparado, havendo um pax paralítico à bordo, o cms deverá acomodá-lo próximo a uma porta, designando um pax a assisti-lo;

* Como medida preventiva de segurança, após a decolagem devemos aguardar para entrar em contato com o cockpit um período de 10 minutos;

* As aeronaves comerciais são, obrigatoriamente, equipadas com um sistema de iluminação normal e outro de emergência;

* Quando ocorrer falha no sistema normal de iluminação as luzes de emergência serão acesas automaticamente. Neste caso, na maior parte das aeronaves há, externamente, iluminação junto às saídas principais e de serviço e nas áreas sobre as asas;

* As portas de uma aeronave podem ser operadas interna e externamente tanto em situação normal quanto de emergência;

* No caso de um pouso de emergência, para se evitar ferimentos, todo material solto na cabine deve ser recolhido e guardado nos toilletes;

* Em situação normal, durante as situações de decolagem e pouso, os cms, por medida de segurança, devem executar com rigos os cheques preparatórios, com relação aos pax´s, cabines, galley´s e toilletes;

* Na eventualidade de se promover o embarque ou desembarque com um dos motores em funcionamento, em qualquer tipo de aeronave, deve-se direcionar os pax´s para o lado oposto do motor em questão;

* O conjunto de sobrevivência no mar é um equipamento obrigatório para aeronaves que efetuam vôos transoceânicos (botes salva-vidas, escorregadeiras-barco e equipamentos infláveis de flutuação – coletes salva-vidas);

* Em relação aos assentos flutuantes, os pax´s deverão levá-los consigo para fora da aeronave e abraçá-los segurando nas tiras apropriadas;

* O colete salva-vidas, em adultos, devem ser ajustados nos ombros e na cintura;

* Em uma situação real de emergência, a instrução que deverá ser ministrada aos pax´s, em relação à utilização do colete salva-vidas, é que estes devem ser inflados quando os pax´s estiverem na soleira da porta;

* Para melhor acomodação dos pax´s, em situação normal, e como prevenção a possível situação de emergência, as bagagens de mão devem ser acomodadas embaixo das poltronas, à frente dos pax´s e nos compartimentos apropriados;

* As aeronaves ou partes da mesma, poderão ser utilizadas como abrigo, entretanto, os sobreviventes só deverão retornar ao seu interior após o resfriamento dos motores e a evaporação do todo combustível derramado;

* A área mais adequada para se instalar um abrigo após um pouso forçado na selva consiste em um local próximo da aeronave, alto, plano, afastado de grandes árvores e também de coqueiros;

* Ao passar um avião no local do acidente, pode-se usar o espelho de sinalização. A aeronave de busca e salvamento, durante o dia, acusará o “recebimento e entendimento” da mensagem balançando as asas horizontalmente;

* Em um pouso forçado em terra, a decisão de abandonar o local do acidente deverá ser tomada imediatamente, pois há possibilidade de explosão;

* Após pouso forçado e consequente evacuação de emergência, o melhor procedimento que deve ser adotado pelos sobreviventes será, se possível, usar a aeronave como abrigo e esperar o salvamento;

* Os sobreviventes de um pouso de emergência em terra, devem dar preferência aos alimentos de origem animal, pois possuem maior valor nutritivo;

* Em uma sobrevivência na selva, pode-se obter água de alguns cipós, porém, dentre estes, deve-se evitar os que produzam líquido leitoso ou amargo;

* Em uma sobrevivência na selva, ao se preparar o local para a montagem de uma fogueira, deve-se observar que a área esteja limpa e a terra seca;

* Após um pouso forçado na selva, as previsões disponíveis devem ser divididas em 3 partes;

* Em caso de sobrevivência no deserto, deve-se usar vestes frouxas e proteção sobre a cabeça, pois previnem queimaduras na pele e poeiras;

* Em locais com fumaças ou gases, os itens necessários para o combate a focos de incêndios, além do extintor indicado e as luvas de amianto são cilindro de oxigênio com máscara full-face ou CAF;

* O oxigênio terapêutico tem como finalidade atender pax´s e tripulantes com insuficiência respiratória;

* Qualquer pax que estiver recebendo oxigênio terapêutico, por tempo prolongado, sofrerá um ressecamento no rosto e nas mucosas. Para minimizar os efeitos deste ressecamento, deve-se dar um copo de água a cada 10 minutos e verificar a necessidade de continuar a aplicação de oxigênio;

* Em um incêndio, a extinção de fogo por abafamento é o método aplicado para se retirar o comburente;

* Após a utilização de um extintor de halon ou de pó químico, para apagar o fogo em poltronas, cortinas, revestimento ou papel, deverá ser adotado o procedimento de rescaldar os resíduos para que não haja reignição do fogo;

* O agente extintor, que devido a sua baixa temperatura poderá provocar queimaduras quando em contato com a pele é o CO2;

* O método de extinção do fogo mais utilizado que consistem em retirar calor do material incendiado é o método de resfriamento;

* Em caso de incêndio à bordo, havendo fumaça densa na cabine, a melhor maneira de se deslocar rumo à saída de emergência será arrastando-se pelo chão, pois junto a este permanece uma camada de ar menos contaminada;

* Havendo foco de incêndio em um toillete e estando a porta do mesmo muito quente, antes de abri-la para combater o fogo, deve-se abrir uma fresta ou fazer um furo na parte superior da porta do toillete e descarregar um extintor de halon, de preferência;

* Como sistema preventivo de fogo nos toilletes existe um dispositivo em seu interior, que é o detector de fumaça;

* O uso de cigarros é expressamente proibido durante os pousos e decolagens, no solo, nos toilletes e nos corredores;

* Os equipamentos de evacuação, para homologação das portas com saídas de emergência são as escorregadeiras;

* Nas aeronaves equipadas com escorregadeiras, o instante adequado para armá-las será no momento em que as portas forem fechadas, antes da partida dos motores;

* Na maior parte das aeronaves, o equipamento auxiliar de evacuação existente nas janelas de emergência, tanto na cabine de comando quanto na cabine principal são as cordas ou tiras de escape;

* O incêndio de classe A tem como combustível madeiras, borrachas e outros materiais sólidos;

* O elemento ativador do fogo é o comburente;

* As formas de extinção do fogo são: abafamento, retirada do combustível e resfriamento;

* O fogo gera calor. O calor desprende vapores e gases q se inflamam, gerando mais calor, mais vapores e mais fogo. Este fenômeno é conhecido como reação em cadeia;

* Combustão ativa é a combustão na qual o fogo se processa em ambiente rico em oxigênio, produzindo calor e chama;

* A água é um agente extintor que não deve ser usado em incêndio de classe C;

* O extintor de água deverá ser usado para combater incêndio causado por madeiras e estofamentos;

* Os incêndios em reservatórios de querosene, aparelhos de computadores em funcionamento e transformadores de energia fora de uso são, respectivamente, incêndios de classe B,C,A;

* O tempo de espera para beber água purificada com iodo é 30 minutos;

* A água da chuva, quando retirada do gravatá, poderá ser bebida imediatamente;

* Na caça, em uma sobrevivência na selva, poderão ser utilizadas armadilhas do tipo arapuca e laços;

* A maneira mais eficiente de se armar as armadilhas é nas trilhas feitas por animais;

* O mínimo de água que se deve tomar para sobreviver na selva é de ½ litro;

* Todas as cobras podem servir como alimento, exceto a cobra do mar;

* Dentre os peixes de rio, o que é considerado mais perigoso é o candiru;

* A arraia é um peixe fluvial que possui um ferrão bifapeado, com aspas retorcidas em forma de punhal;

* Em um pouso forçado no mar, tendo abandonado a aeronave, os sobreviventes deverão manter-se relativamente afastados da aeronave, até que ela afunde, e, se estiverem dentro do bote, deverão utilizar toldo de proteção lateral, dossel de cobertura e vestimenta que cubra todo o corpo;

* Em uma sobrevivência no mar, as vísceras dos peixes ou aves capturados e abatidos servirão como isca para pesca;

* Em uma sobrevivência no mar, a quantidade mínima de água que o sobrevivente necessita por dia, para manter-se em forma, é mais ou menos 500ml;

* A biruta d´água é usada na sobrevivência no mar para manter o bote próximo ao local do acidente, retarda a deriva da embarcação e deve-se ter o cuidado de utilizá-la verificando que não fique presa em alguma parte da aeronave;

* O corante de água é um recurso utilizado para se fazer sinalização apenas durante o dia;

* A umidade do bote salva-vidas poderá danificar bússolas e relógio;

* O maior problema que um sobrevivente enfrenta em uma área gelada está relacionada com manutenção da temperatura corporal;

* Após um pouso de emergência na selva, várias ações deverão ser executadas imediatamente e simultaneamente. Para melhor organização dessas ações, um tripulante, como responsável, deverá assumir o comando e distribuir as tarefas;

* Para sobrevivência na selva, logo após o pouso, uma série de medidas devem ser tomadas. Prioritariamente deve-se adotar: primeiros-socorros, acionamento do radiofarol e preparação de equipamentos de sinalização;

* O radiofarol localizador, modelo rescue 99, é alimentado por uma bateria ativada por água;

* Na jornada pela floresta, usando a bússola retirada da aeronave, mapas ou cartas, não se deve esquecer de remover da bússola, os ímãs de compensação;

* As regras básicas para a utilização de recursos de sinalização, em uma sobrevivência na selva, são: com exceção do rádio transmissor, conservar os demais para quando se ouvir ou avistar uma aeronave ou embarcação;

* As marchas deverão ser iniciadas pela manhã e interrompidas para acampar às 15 horas;

* Usa-se o soro anti-crotálico contra veneno de cobra cascavel;

* A coral é um tipo de cobra da família elapidae que vive em buracos e sombras e preferem caçar à noite, sendo responsável por 1% dos acidentes.

O preço da liberdade é eterna vigilancia...selva guerreiro selva.

 



Material de apoio - Comissário
CMS